Cena 1 – Banquete + Anúncio do rei

Grande banquete no palácio real,
Taças de ouro, linho fino e canções
E muito vinho para festejar, festejar!

(Mulheres:)
Enquanto isso, nós mulheres também
Comemoramos no palácio do rei
Em outra festa que a rainha serviu, serviu!

(Rei:)
Tragam até mim a rainha,
Contemplemos nós sua beleza.
Que ela venha já à presença
Do grande rei!

(Homens:)
Tentamos tudo, mas não funcionou,
Nós ordenamos e ela recusou.
Se não puni-la pode ser pior,
Bem pior.

(Coral:)
Essas notícias se espalharão,
Outras mulheres a história ouvirão,
Aos seus maridos podem desprezar,
Desprezar!

(Homens:)
Que não entre mais na presença
Do grandioso rei para sempre.
(Coral:)
Hoje perderá o seu trono
Para alguém melhor!

(Fábio Paradela)

 

Cena 2 –  Escolha da Rainha

(Ester:)
Oh, Senhor, entre flores e perfumes
Amedrontada aqui estou.
Quero pois conhecer Tua vontade,
Testemunhando por onde for.
Estrangeira sou aqui neste lugar:
Um segredo que não posso revelar.

(Hegai:)
Oh, Ester, tenho visto teu semblante
Tão puro e simples, que cativou.
Trago a ti um anúncio importante
Do grande rei que me enviou:
Em tua fronte a coroa brilhará,
E com ela alegremente reinarás.

(Coral:)
Tudo começou com um olhar:
Ao seu lado nosso rei descobriu
O sentido de amar.
Quanta beleza numa mulher!
Hoje vamos celebrar com fervor:
O seu nome é Ester,
Nossa rainha!

(Fábio Paradela)

 

Cena 3 – Mordecai x Hamã

(Um servo abre caminho para Hamã:)
Todos devem se prostrar quando ele passar: o amigo do rei!
Todos se inclinando, já! Diante de Hamã, temei e tremei!

Todos devem se prostrar quando ele passar: o amigo do rei!
Todos se inclinando, já! Diante de Hamã, temei e tremei!

Prostrai! Temei! Tremei!

(O servo se dirige a Mordecai:)
Por que não exaltar a quem o rei honrou?
E não se ajoelhar para o escolhido seu?

(Mordecai responde:)
Pois uma lei maior conhecem os judeus:
Só me ajoelharei diante de meu Deus!

(Ederson Peka)

 

Cena 4 – Hamã + decreto Assuero

Ó, Rei, uma ameaça se estabelece no Império Persa!
Um povo se engrandece e não reconhece Vossa Excelência!
Se espalha em toda parte desafiando tuas ordenanças!
Com crenças peculiares, desacredita tua liderança!

Te peço, ó grande Rei, que estendas hoje tua mão;
Que atendas deste servo a tão humilde petição:
Promulgue-se um decreto ordenando aos servos teus
Que evitem a tragédia, exterminando os tais judeus!

(Narração/Encenação: Ester 3:10,11 – O Rei tira seu anel e o entrega a Hamã.)

Escrevam cartas para as províncias e principados!
Em toda parte seja o decreto anunciado:
“No dia sorteado sejam mortos os judeus!
Destruam as mulheres, as crianças, os bebês,
Os jovens, os idosos, exterminem com furor!
Saqueiem seus pertences! Os humilhem sem temor!”

Selem minhas cartas com a insígnia real!
Que o reino fique limpo deste lixo social!

(Ederson Peka)

 

Cena 5 – O Recado de Mordecai

Estes grandes privilégios que hoje estão em suas mãos
Fazem parte da visão maior de Deus.
Não esconda seu talento, nem lamente a situação:
Foi pra isso que o Eterno te escolheu!

Quem é servo da justiça
Foi chamado pra cumprir uma missão.
Quem se empenha no serviço
Aproveita cada chance e ocasião.
Não espere outro momento,
Aja agora pela fé,
Pois socorro e livramento
Vêm pra quem agir e crer.

Se você não fizer nada, Deus não vai deixar de agir,
Mas por certo a sua chance passará…
Foi pra dar o seu melhor que Ele te trouxe até aqui:
Só confie, e um milagre Ele fará!

Quem é servo da justiça
Foi chamado pra cumprir uma missão.
Quem se empenha no serviço
Aproveita cada chance e ocasião.
Não espere outro momento,
Aja agora pela fé,
Pois socorro e livramento
Vêm pra quem agir e crer.

(Ederson Peka)

Cena 6 – Se Meu Povo Orar

Se o Meu povo, que se chama pelo Meu nome,
Se humilhar, orar e se arrepender,
Abandonando o que é mau e seus caminhos
E a Minha face então buscar,

Dos céus Eu ouvirei:
Perdoarei o seu pecado
E a sua terra sararei.
A sua terra sararei.

(Guilherme Schlichting de Andrade)

  

Cena 7 – Ester na presença do Rei

O temor que domina minha alma,
A angústia que consome o coração
Necessitam dar lugar à paz e à calma,
Necessitam relembrar minha missão.

Mas se hoje for ousada não irei perecer,
Certamente ao Teu lado vou vencer!

(Côro)
Se você quer estar ante o trono do maior Senhor e Rei
Venha cheia de coragem e fervor.
Ele olha co’emoção,
E estende a Sua mão tão cheia de amor!

Como eu alcancei tão grande compaixão
E já sinto nos Teus braços o calor,
Digo a todos que hoje sofrem de tribulação:
Se convide pro banquete do Senhor!

Abra as portas do palácio e comece a clamar,
Nosso Rei estende o cetro, pode entrar!

(Côro 2x)

(Rubinho & Fábio Paradela)

 

Cena 8 – Plano da forca

(Hamã:)
Eu sou Hamã, o glorioso,
engrandecido perante o Rei!
Mui rico sou! Muito famoso!
A minha honra defenderei:

Sobre príncipes e servos nosso rei me fez senhor;
Tenho nome, tenho posses, tenho filhos, tenho bens,
E até mesmo sob os olhos da rainha achei favor,
Pois chamou-me pro banquete com o rei, e mais ninguém!

Mas um judeu me desafia,
e nada disso me satisfaz…
Nunca encontrei tanta ousadia:
Judeu astuto! Judeu audaz!
Ousado e sagaz!

(Zeres:)
Tenha calma, ó grande Hamã, pois isso é fácil resolver.
Que a resposta seja firme contra quem o ofendeu:
Uma forca muito alta deves tu mandar fazer,
E amanhã pedir ao rei que nela enforquem o judeu!

(Ederson Peka)

 

Cena 9 – Hamã honrando Mordecai

A quem o rei deseja assim honrar
Que o manto que o rei veste seja dado!
Desfile pelas ruas, coroado,
Com servos à sua frente, a proclamar:
-Assim se faz a quem o rei honrar!

(Encenação: O rei ordena que Hamã faça tudo isso para Mordecai.)

Se o rei ordena, eu tenho que acatar:
-Assim se faz a quem o rei honrar! (Repete…)

(Ederson Peka)

 

Cena 10 – Banquete e revelação

(Rei:)
Rainha linda, qual é o teu pedido?
Até metade do meu reino eu te daria
Dinheiro, jóias, perfumes, presentes?
Teu desejo quero logo atender

(Ester:)
Pra que me serviriam tantas riquezas
Se a vida me querem tirar?
Se numa trama meu povo está condenado
E irá acabar?
Só peço por minha vida…

(Rei:)
Quem intentaria contra minha rainha? QUEM?
Já está condenado! E sem mais demora ele deve morrer!
Me diga pois agora: quem foi?
Não haja mais demora: morrer! MORRER!

(Ester:)
Hamã, que sem causa odeia os judeus.
Judia sou: devo perecer;
Mas seja preciosa aos teus olhos, ó rei,
A vida dos meus: do povo judeu.

Só peço por nossa vida…

(Rei:)
Decretos reais não se mudam,
Mas um novo edito farei:
Preciosa é tua vida aos meus olhos.
Teu povo não deve morrer!

E que seja enforcado Hamã…

(Coral:)
A luz do sol não vai mais ver.
Por sua conduta irá morrer.

(Débora Lhamas)

 

Cena 11 – Morte de Hamã

Toda aflição que planejei,
E todo mal em mim voltou.

A forca que eu preparei
Agora é causa de terror.

Chorando estou no corredor
Da morte, enfim!

E onde está
Todo meu ego vil,
Aquele orgulho, o brio,
A voz sagaz?

Pra onde vai minha arrogância
Quando o castelo se desfaz?

Curvado vou de encontro à dor
Por uma morte que escolhi …

(Rubinho & Fábio Paradela)

                 

Cena 12 – Discurso de Mordecai

(Mordecai:)
A mão de Deus nos livrou,
O inimigo derrotou.
Hoje é dia de festa, oh sim,
Pois deu-nos força pra resistir!

(Coral:)
Senhor dos Exércitos, lutaste por nós, (por nós)
E todo o mundo viu Tua força com temor.
A Ti nossas dádivas, a Ti nossa voz:
Louvaremos o grande Eu Sou!

(Mulheres:)
Em toda a história conservou,
Sob Tuas asas colocou
(Homens:)
Os que foram fiéis a Ti (foram fiéis)
A desfrutar as bençãos sem fim!

(Coral:)
Senhor dos Exércitos, lutaste por nós, (por nós)
E todo o mundo viu Tua força com temor.
A Ti nossas dádivas, a Ti nossa voz:
Louvaremos o grande Eu Sou!

Senhor dos Exércitos, lutaste por nós, (por nós)
E todo o mundo viu Tua força com temor.
A Ti nossas dádivas, a Ti nossa voz:
Louvaremos o grande Eu Sou!

Louvaremos o grande
Eu Sou! (O grande Eu Sou!)
Eu Sou! (O grande Eu Sou!)
O grande Eu Sou!

(Fábio Paradela)